VI #12: A preparação do trabalho: as notas – parte III

sertillanges,sertillanges a vida intelectual,ortega,ortega y gasset

Quais regras devem dirigir o processo de leitura e tomada de notas? Como se deve separar o que deve ser lido do que não deve? É o que ensina Sertillanges no sétimo capítulo de A Vida Intelectual.

Segundo Sertillanges, ao contrário do que se pensaria de início, é conveniente ler pouco e sendo criterioso na seleção de livros. Ler muito, mas livros ruins ou prejudiciais ao espírito é muito pior que ler uma pequena seleção de bons livros.

Um critério para seleção é: ler os clássicos e ler os gênios. Sertillanges de certa forma alude ao conceito de “democracia dos mortos”, o fato de podermos nos inspirar, debruçar e ler gênios do passado, conforme nossos interesses filosóficos, científicos ou religiosos é um privilégio que não deve ser negligenciado.

Nessa terceira parte da análise, enfatizamos os ensinamentos de Sertillanges sobre o trato com a tomada de notas e a importância delas no processo de leitura: quais fazer, como fazer e como acomodá-las para uso posterior proveitoso, como classificá-las?

As notas funcionam como uma espécie de “memória externa”, mas devem ser produzidas e guardadas com parcimônia. Embora sejam importantes, não devem tomar todo o tempo dedicado à leitura de uma obta.

Abaixo encontra-se uma prévia da aula, para vê-la completa, basta assinar o OliverClub. Vá rápido, pois o tempo é a única coisa que não volta.



Mas como fazer isso? Ah, o conteúdo continua em vídeo para os assinantes do OliverClub.

Assine e faça parte de nossa escola de formação cultural.

As aulas sobre a vida intelectual são mensais. Ficam gravadas para quem não puder assistir.

Revista Chronus, Teatro das Idéias, Telegram, Vida Intelectual, Grupo no Telegram e muito mais

Tudo isso por apenas R$ 29,90 por mês. Menos de um real por dia. Ainda tem 7 dias grátis para testar. Assine o OliverClub aqui.

Deixe seu comentário

Você também vai gostar

Episódio 9